6 dicas essenciais para promover a redução de custos nas empresas

Diante de um mercado de trabalho tão competitivo, é vital que os gestores otimizem a qualidade da produção, encontrem o diferencial competitivo da sua oferta e busquem a redução de custos nas empresas.

Toda empresa, para manter-se sólida no mercado, precisa obter um alto faturamento para sanar os custos e obter lucro.

A estratégia de redução de custos nas empresas é o melhor caminho para tornar o lucro ainda mais significativo.

Uma empresa que não acompanha seus custos pode sofrer de elevado descontrole financeiro de muitas empresas, situação que pode acarretar falência.

Além disso, novos empresários costumam definir sua tabela de preços sem levar em conta todos os seus custos, o que é um erro gravíssimo.

Levando em conta tamanha relevância do conhecimento dos custos preparamos esse artigo para te auxiliar a elaborar um plano de redução de custos nas empresas. Confira!

Quais são todos os custos envolvidos no cotidiano de uma empresa?

Antes de partir para uma estratégia de redução de custos na empresa, é importante conhecer todos os custos envolvidos no seu negócio e suas diferenças.

Custos diretos

Os custos diretos são diretamente ligados a um produto. São mensuráveis, podendo ser incluídos de forma direta no cálculo da produção.

Exemplos:

  • Matérias-primas usadas na fabricação;
  • Mão de obra direta;
  • Serviços terceirizados que são aplicados diretamente na produção;
  • Salário dos colaboradores e encargos sociais;

Custos indiretos

Custos indiretos são aqueles que não são identificados diretamente nos produtos e serviços.

Exemplos:

  • Mão de obra indireta (controle de qualidade, vigilância, limpeza e manutenção de equipamentos);
  • Seguros, depreciação de equipamentos e aluguéis;
  • Materiais indiretos (empregados nas atividades de auxílio a produção);

Custos fixos

Os custos também podem ser classificados de acordo com a sua periodicidade. Os custos fixos são aqueles que não sofrem variações de acordo com o volume de produção.

Confira alguns custos fixos:

  • Aluguel;
  • Vigilância e segurança;
  • Telefonia;
  • Limpeza;
  • Manutenção;

Custos como o aluguel, por exemplo, sempre serão considerados fixos, mesmo que haja correção no valor. Afinal, este é um custo pago mensalmente!

Custos variáveis

Os custos variáveis estão ligados à produção da empresa e, por isso, podem sofrer alterações.

Exemplos:

  • Matéria-prima – se a produção cresce, aumenta o consumo de matéria-prima e assim maior é o custo;
  • Comissão de vendedores;
  • Fretes;

Custos recorrentes

Os custos recorrentes são os que ocorrem uma estrutura pré-determinada de negócio, como:

  • Os salários;
  • Os pagamentos para os equipamentos alugados para a operação do negócio, computadores, registros de ponto de venda, máquinas copiadoras e outros.

Custos não recorrentes

Os custos não recorrentes também são conhecidos como custos de inicialização. São os custos isolados, pois o investimento é realizado uma única vez.

Custos administrativos

Os custos administrativos são aqueles ligados à administração da empresa. Temos como exemplo os custos com marketing, gestão de pessoas e materiais de escritório.

Custos de qualidade

Os custos de qualidade são aqueles exigidos para se atingir os padrões de qualidade da organização durante a produção. Exemplos:

  • Custos de prevenção: são exigidos para controlar a qualidade dos produtos, evitando gastos com erros no sistema produtivo. Exemplo: planejamento da qualidade.
  • Custos de avaliação: são os custos envolvidos na identificação de defeitos antes dos produtos chegarem aos clientes. Exemplo: inspeção de estoque.
  • Custos de falhas internas: são os custos que acontecem devido a falhas no processo de produção, seja ela técnica ou humana.
  • Custos de falhas externas: são os custos com falhas que acontecem fora do ambiente da fábrica. Exemplo: trocas de produtos.

As 6 dicas fundamentais para fazer redução de custos nas empresas

A redução de custos nas empresas é possível por meio de atitudes simples e rotineiras.

Não há nenhuma forma complexa para que isso ocorra, mas sim algumas mudanças de postura que, pouco a pouco, refletem em uma saúde financeira estável!

Envolva a sua equipe

Consulte a sua equipe para entender quais custos eles julgam supérfluos e, a partir daí, busque atuar em cima deles.

São os colaboradores que trabalham dia após dia com a produção, logo, eles têm uma visão mais atenta para os desperdícios.

Analise os seus custos

Antes de cortar seus custos, entenda relevância do custo para a produtividade e as vendas da empresa.

Liste os custos da empresa e avalie todos, pensando em quais podem ser otimizados, negociados para melhorar o valor e quais podem ser extintos

A redução de custos nas empresas deve ocorrer naqueles que têm menor participação no lucro.

Faça negociações com seus bancos e fornecedores

Sempre há uma quantia significativa destinada às tarifas bancárias, por isso vale a pena reduzir os custos com tarifas renegociando com os bancos.

Tenha em mãos os seus extratos bancários na hora de tentar um novo acordo!

Os fornecedores chegam a dominar metade dos gastos de uma organização. Para barganhar, conheça os preços da concorrência e apresente novas propostas para o seus fornecedores.

Invista em um bom processo seletivo

Na hora de contratar novos colaboradores, busque candidatos alinhados aos valores da sua empresa. Isso facilita a adaptação com os processos da organização!

Logo, é possível evitar gastos com futuras demissões por falta de compatibilidade e novas admissões.

Antes de abrir um processo seletivo, considere o recrutamento interno, com promoções ou realocação de pessoal.

Avalie a possibilidade de troca do regime tributário

A redução de custos com impostos é possível se você encontrar o regime tributário adequado para a sua empresa.

Por exemplo, os regimes de Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional têm alíquotas diferentes, créditos e deduções próprios.

Portanto, vale a pena simular com um contador quais sistemas são mais econômicos e benéficos para a sua empresa.

Aumente o giro do seu estoque

Estoque parado é sinônimo de capital aplicado não está gerando rendimento. Além disso, há o custo de armazenamento.

Por isso, busque promover a redução de custos nas empresas aumentando o giro do seu estoque. E como fazer isso? Estimulando a sua equipe de vendas!

Entender os principais tipos de custo de uma empresa e traçar planos de ação para reduzi-los é o melhor caminho para garantir a saúde financeira!

Agora que você já aprendeu a promover a redução de custos nas empresas, é hora de organizar as finanças do seu negócio. Conheça 6 dicas para fazer a gestão financeira de negócios!



Deixe uma resposta